Escher in Het Paleis

O grafismo de Escher – estética, desenho e perspectiva

henk

Henk Schutte

Estive ontem com Henk Schutte, meu marido,  em Den Haag, na linda casa que abriga a incrível obra do artista plástico holandês Maurits Cornelis Escher.

Escher nasceu em 1898 em Leeuwaden e morreu em 1972 em Hilversum também na Holanda. Percorreu inúmeras cidades e países durante a segunda guerra mundial, passando a residir por último em Hilversum.

É um artista conhecido pelas suas xilogravuras, gravuras e mezzotints (meios-tons). Seu trabalho explora impossíveis construções – com planos preenchidos e regulares representando o infinito, metamorfoses de animais e de elementos formando cenas inusitadas e completamente diferentes. Incrível detalhista, nos envolve nas tramas e caminhos de seu desenho.

Em uma visita a Alhambra na Espanha ficou deslumbrado com os mosaicos existentes nas mesquitas que se entrelaçavam formando diferentes ou as mesmas figuras. Deste momento em diante, desenvolveu seus principais trabalhos baseados no desenho e na perspectiva. A partir de uma malha de polígonos, regulares ou não, o artista promovia mudanças sem alterar a área do polígono original. Com essas alterações surgiam figuras de homens, peixes, aves, lagartos, todos envolvidos de tal forma que nenhum poderia mais se mexer. Tudo representado no mesmo plano.

Suas obras criam efeitos de ilusões de ótica, com impressionante qualidade técnica e estética respeitando as regras geométricas do desenho e da perspectiva. O artista explorava e brincava também com o espaço tridimensional, num plano bidimensional, como a folha de papel. Com isto ele criava figuras impossíveis, representações distorcidas, paradoxos.

O palácio de Lange Voorhout

No coração de Den Haag, o palácio de Lange Voorhout pertenceu durante 100 anos à família real holandesa. A Rainha Emma, avó da Rainha Beatriz (atual Rainha da Holanda), comprou-o em 1896. No lugar onde atualmente encontra-se o café do museu, foi a antiga cozinha do palácio e lá podemos ver fotos da época da Rainha Emma, da Rainha Juliana mãe da Rainha Beatrix e da família real.

Neste ano de 2008 o museu está fazendo 6 anos. No ano passado, para comemorar os 5 anos, foi feita uma exposição, que lá permanece, sobre ilusão de ótica. Na mostra, reproduziram situações “non-existent” que no entanto nos dão a impressão de reais e temas em que Escher trabalhava: reflexão, percepção e perspectiva. Vale a pena ir conhecer o trabalho de Escher in Het Paleis.

Chandelierrs – candelabros no Escher Het Palais

Dentro do palácio, nos deslumbramos com os trabalhos do escultor holandês Van Bentem que desenhou em 2003, quinze candelabros para os antigos quartos reais. Os chandeliers são feitos com cristais da República Tcheca e montados naquele país, especialmente para o Escher Palácio. O escultor Van Bentem escolheu os tópicos relativos aos trabalhos do artista, como os candelabros na forma de peixes, pássaros e outros símbolos.
Estes enormes lustres de cristais nos levam e elevam a outros mundos em meio ao grafismo do grande artista Escher.

O Escher In Het Palais é roteiro obrigatório para os amantes das artes plásticas.

Algumas curiosidades e influências da obra de Escher – fonte Wikipédia

O  criador de Os Simpsons, Matt Groening,  utilizou uma referência à Escher em sua tira Life in Hell. Em sua paródia à obra Relativity, coelhos desenhados caem de escadas em ângulos impossíveis. Groening posteriormente usou a mesma situação cômica em um episódio de Futurama. Quando jovem, o autor costumava colecionar pôsteres de Escher.

Um episódio de Padrinhos Mágicos mostra em seu título um design similar à obra Drawing Hands.

Em um episódio de Family Guy, Stewie e Brian compartilham um quarto no qual Stewie coloca na parede uma gravura de Relativity, o qual ele chama escadas loucas. Ele então a quebra enquanto joga frisbee.

A fase bônus do jogo Sonic, do Sega Mega Drive, contém uma animação de pássaros se transformando em peixes, uma clara referência à Sky and Water.

O jogo Lemmings, da produtora Psygnosis, possui um nível chamado Tributo a M.C. Escher, ainda que ele não apresente um cenário ao estilo do autor.

A figura de um grande olho com uma caveira em sua íris aparece na parede do quarto de Donnie Darko.

O videoclipe da canção Around the World, do grupo Daf Punk, dirigido por Michel Gondry, é baseado na obra Encounter.

O videoclipe da música Drive, do grupo Incubus, é baseado em Drawing Hands, começando com uma mão animada desenhando um pedaço de papel e uma segunda mão, para então formar a própria obra de Escher. Também mostra a mão desenhando o vocalista da banda Brandon Boyd.

No filme “Labirinth” (Labirinto – A Magia do Tempo), com David Bowie no papel principal (Jareth), há uma cena nitidamente inspirada em “Relativity”, de 1953.

A abertura da novela brasileira Top Model, é inspirada da obra “Relativity”, que mostra várias escadas, de diversos ângulos, em um mesmo lugar.

Serviço:
Escher in het Paleis
Lange Voorhout 74, NL-2514 EH Den Haag, +31 (0) 70 4277730
Tram 16, 17 Ônibus 24, 5, 22
Aberto de terça a domingo de 11h às 17h

www.escherinhetpaleis.nl