Banda de Congo – o louvor aos santos de devoção!

 por Margô Dalla

O congo é um gênero musical brasileiro, típico das regiões litorâneas do Espírito Santo e uma das mais importantes tradições populares-, uma dança folclórica, com dançadores e um dirigente (mestre); possui coreografia própria e outras pessoas podem participar desta manifestação.

Foto Margô Dalla

Foto Margô Dalla

A permanência dos negros de cultura banto (originária de Angola), em solo capixaba durante o ciclo do café, favoreceu a participação nas bandas de congo. Revivendo as cortes africanas, com pompa e magnificência, organizaram-se hierarquicamente para louvar a Virgem do Rosário e São Benedito, São Pedro, São Sebastião e Nossa Senhora da Penha, a padroeira do Espírito Santo.

Tradicionalmente o conjunto é formado por 10 a 30 pessoas. Só os homens tocam os instrumentos. As mulheres representam as Rainhas e se vestem com vestidos longos, de preferência nas cores azul ou branco e com enfeites e levam à frente o estandarte com o Santo de louvor, São Benedito, São Sebastião, São Pedro, Nossa Senhora do Rosário.

Os principais instrumentos são: o tambor de congo, bumbo ou caixa, casaca ou reco-reco, cuíca, chocalho, triângulo e apito que é utilizado pelo mestre no início e término das toadas.

Casacas - Foto Margô Dalla

Casacas – Foto Margô Dalla

As canções: Guardadas de memória ou improvisadas, falam de temas variados: o mar, amor, natureza, a devoção aos santos e, por vezes a morte. Um canto que muitas vezes parece  triste pela maneira dolente de cantá-los prolongando demasiadamente as vogais finais do último verso do refrão, que mais parecem lamentos e gemidos em âââââ, em êêêêê, em ôôôôô.”

Eu tô chorando ô Maria
Vem me acalentá ô Maria 
Por causa do amor ô Maria
 Que me faz chorá 
Ô Maria….

Atualmente é uma manifestação folclórico/religiosa, onde se prestam homenagens a São Benedito e a Nossa Senhora da Penha em festas que acontecem ao longo dos meses de dezembro e janeiro. São comuns no Espírito santo as festas dedicadas a São Benedito, onde se derruba uma árvore alta, corta-se os galhos deixando só o tronco, que será o “mastro de São Benedito”, que é levado pelas ruas e fixado em um pátio da festa, onde se coloca um estandarte com a figura do santo. Depois este mastro é retirado encerrando os festejos do ano.

Fonte: Arquivo público do Espírito Santo

Mais fotos